Enfermeira adota bebê com deficiência abandonado em hospital e comove

Alerta de lencinho! A técnica de enfermagem Marina Gonzaga, 57 anos, um bebê adotou com deficiência que foi abandonado no hospital onde ela trabalha. O Murilo, hoje está lindo e com 1 ano de idade. (vídeo abaixo)

Quando a Marina soube que o bebezinho que ela cuidou por tantas semanas na UTI iria para um abrigo, ela não pensou duas vezes. “Me apaixonei por ele e decidi que queria ser a sua mãe”, disse em entrevista ao Só Notícia Boa.

Ela contou que foi amor à primeira vista quando o recém-nascido chegou na UTI do Hospital Materno Infantil de Brasília. “Entrei com o processo de habilitação para adotá-lo imediatamente, mesmo sabendo que, ao procurar uma família para o Murilo, a VIJ-DF iria respeitar a fila de pretendentes já habilitados”, afirmou.

Também é filha adotiva

A técnica em enfermagem também é filha adotiva e foi acolhida com pouco mais de um ano. Agradecida, ela conta que a família que a abraçou é um marco, uma referência na vida dela.

E assim ela fez também com o Murilo.

O menino nasceu com hidranencefalia – acúmulo de líquido na cabeça no lugar de parte do cérebro.

Na época em que o pequeno foi para a UTI, a técnica de enfermagem ficou sabendo sobre o triste rumo que o bebê teria ao deixar a internação. Logo após receber alta do Hospital Materno Infantil de Brasília, o recém-nascido foi colocado para adoção.

O pedido de adoção

Apaixonada por ele desde o primeiro momento, Marina decidiu entrar com o pedido de adoção.

Com esperança no coração, mas a sabedoria da espera, Marina despediu-se de Murilo ainda na UTI, momento duro segundo a mãe.

O bebê ficou dois meses no Lar Bezerra de Menezes à espera de uma família, quando Marina recebeu a ligação de que poderia ir buscá-lo. Felizmente o sonho dela de ser mãe do Murilo se realizou!

Cria o menino sozinha

Marina foi corajosa! Sozinha, ela cria o Murilo com todo amor do mundo, mas com o salário da profissão, não consegue arcar com os altos custos que tem com aluguel e principalmente com o transporte, já que diariamente Murilo passa por acompanhamento médico e tratamentos. Fora os custos com fraldas e medicamentos.

Marina tem contado com ajuda de amigos e nós não poderíamos deixar de abraçá-la também. Abrimos uma vaquinha para ela no SVB. O valor arrecado será para apoiar essa mãezinha com todos os custos citados acima por pelo menos 1 ano.

Você pode apoiar também a Marina e o Murilo pelo PIX: marina-adocao@sovaquinhaboa.com.br

ou diretamente pelo link da campanha clicando aqui.

Por: Só Notícia Boa