Fechamento de piscina e das lanchonetes deixam frequentadores da Água Mineral descontentes

Espaço é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

O Parque Nacional de Brasília mais conhecido como Água Mineral foi criado logo que Brasília foi construída, em 1961, a partir da necessidade de proteger os rios que forneciam água potável, além de, manter em estado natural, a vegetação. Os frequentadores buscam no local, lazer, já que é composto por duas piscinas com água corrente, duas trilhas de pequena a média dificuldade e ainda espaço para quem gosta da prática de esporte em contato com a natureza.

Apesar dos atrativos, frequentadores têm questionado alguns problemas atuais como: lanchonetes fechadas, desligamento de funcionários antigos e, também, tem sido questionado pelo público a abertura de apenas uma das piscinas aos fins de semana e feriados, momentos em que o parque recebe um público maior. A Associação de Amigos da Água Mineral (Afam), entidade que reúne 498 integrantes, também questiona a demissão dos salva-vidas antigos.

O espaço é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. O (ICMBio), sobre os recentes problemas, justificou à imprensa local que ao longo dos últimos sete anos foi verificado que o funcionamento de uma piscina por vez é suficiente para atender a demanda de visitantes do parque.

O instituto, sobre demissão de funcionários, respondeu que os desligamentos de colaboradores devem ser apuradas junto à empresa terceirizada, que tem autonomia para essas decisões. Já em relação às lanchonetes, foi explicado que deixaram de operar por tempo indeterminado, até que uma nova operação seja definida para a gestão do uso público. O ICMBio disse ainda sobre consumo de alimentos no local que é permitido aos visitantes a entrada com alimentação própria.

Por: Ernandes Almeida

Foto: Divulgação