Saiba como ter um espaço comercial no Ceasa

O Ceasa-DF vai aumentar o poder de comercialização de alimentos. A empresa pública abriu licitação na modalidade de pregão presencial para ocupação de espaços padronizados e individualizados, mediante Termo de Permissão Remunerada de Uso (TPRU).

Serão licitadas dez unidades destinadas ao comércio em nível de atacado de produtos alimentícios de natureza típica, a exemplo de hortifrutigranjeiros, cereais e pescados. O edital pode ser conferido no site www.ceasa.df.gov.br.

O pregão ocorrerá na própria Ceasa-DF localizada SIA Sul, Trecho 10, Lote 5 –, no auditório do Centro de Capacitação e Comercialização da Agricultura Familiar (CCC), às 10h do dia 7 de março.

As dez unidades ficam no Pavilhão B10/B – todas novas, com 278,25m² e pé-direito de aproximadamente 10 metros. O pavilhão conta com acesso a pessoas com deficiência nas duas laterais e possui estrutura para o reuso d’água, com vistas à irrigação e ao combate a incêndios, visando tanto questões de economia energética, quanto ambientais. A iluminação do pavilhão é de LED.

Os boxes também estão preparados para colocação de painéis de energia solar e a localização é privilegiada, pois há uma pista que conduzirá os motoristas diretamente à Estrutural.
Serviços da CEASA.
– Credenciamento: de 9h às 10h a partir de 7 de março
– Início da sessão de disputa: às 10h do dia 7 de março
– Local: Ceasa-DF – SIA, Trecho 10, Lote 5, Auditório do CCC
– E-mail para contato: licitacoes@ceasa.df.gov.br

Vale destacar que desde o inicio da pandemia da covid-19 o Ceasa possui um programa social de desperdício zero. O objetivo desse eixo de doação é diminuir o desperdício alimentício no Ceasa e em outras regiões, recebendo doações diretamente na propriedade do produtor rural. Dessa forma, o Banco de Alimentos recolhe, faz a triagem, pesagem e logística desses insumos para serem doados às instituições e famílias atendidas.

O Eixo Desperdício Zero também se pauta na preservação ambiental, evitando assim que toneladas de alimentos sejam destinadas ao aterro sanitário, reduzindo assim gases no meio ambiente.

Por Tiago Pedrosa.
Fonte: Agência Brasília.

Foto: Divulgação/Ceasa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.